Cruz Expectante (r)
Página Inicial
Vida e Obra do Patrono da Igreja Expectante
Textos de ou sobre Cedaior, Sevãnanda, Thoth e Ischaïa
Biblioteca
Mapa dos Núcleos
Perguntas Frequentes
Entre em Contato
Como entrar para a Egrégora Expectante

 


Casamento Expectante de Náyade e Bruno na visão do "PAItriarca"
Por Geraldo Lino da Silva, celebrante


Sábado, 14 de março, noite de lua cheia. Calor sufocante em Guarapari. Templo Cedaior lotado. Gente buscando do lado de fora lugar para assistir ao ritual. Mariland inquieta. Movimento intenso na Sede do Patriarcado. Tudo que estava por vir seria surpresa e inédito para a maioria. Já passavam 40 minutos do horário marcado quando eis que surge a noiva, ao longe, braço dado com o pai. Ela radiante, mas já aos prantos. Ele, vivendo a experiência pela qual aguardara 26 anos. Às 18h42, a lenta caminhada culmina diante do altar. Ao fundo, a Ave Maria, de Gounod. Em gesto solene, o sogro entrega ao genro seu mais precioso fruto na vida terrena. Huascar, olhos fixos em Bruno, como se ali não houvesse mais ninguém, toma-lhe a mão em confiante aperto e trata de descontrair o noivo: "Os melhores perfumes estão nos menores frascos. As noivas mais atrasadas são as mais bonitas", brinca, derretendo-se.

 

Na sequência, deixando o papel de pai, Huascar reveste-se com a Capa Patriarcal e, já como Thoth, abre o evento: "Meus irmãos, minhas irmãs. Neste dia de gáudio, estou aqui para dar início ao casamento da Náyade e Bruno. Não é com pequena emoção, mas o suficiente para engasgar a tonalidade da minha voz, para poder transmitir a todos os presentes o sentimento que vivo agora. Fazer, orientar o casamento de alguém é abrir uma nova vida, uma nova oportunidade para que eles possam trilhar o caminho dentro do plano da sociedade, da convivência com os familiares e amigos. Desejo, neste momento, a Bruno e Náyade, que iniciam esta etapa, que mantenham dentro da mente, que só caminhando pela estrada da vida afora com a mão dentro da mão, um conduzindo o outro, é que podem encontrar a verdadeira troca de amor e solidariedade humana. Meus amigos, sinto-me neste momento com um grau de emoção muito grande. Que todos acompanhem esse ato da Igreja Expectante com amor, com entrega, com carinho e com os melhores desejos possíveis, emanados do coração de cada um, para que esse casal possa encontrar na vida uma estrada que não tenha tantos pedregulhos. Não vou poder oficiar a cerimônia, pois não estou em condições físicas e emocionais. Meu companheiro de trabalho, sacerdote do 2º grau, Geraldo, vai presidir o ato. Que ele possa transmitir a vocês... A partir deste momento as palavras dele são as minhas. Minha bênção para o casal".

 

As fotos mostram os melhores momentos da cerimônia de Bênção Matrimonial Expectante, ato religioso que se estendeu por 42 minutos, com inserções de elementos lúdicos, Gnósticos e pagãos: aprovação oral do casamento pelas sogras perante a platéia, rito da corda, entrega da certidão e o pulo do casal sobre a vassoura.

 

No dia seguinte, já refeito, Thoth relatou suas vivências, destacando suas seis emoções: "Meu lado emotivo foi ferido em várias situações. Primeiro, porque era meu sonho conduzir minha filha ao altar. Assim foi feito. Segundo, transferi uma junção de uma criatura para outra criatura, inoculando nelas aquilo que se deve falar: uma profunda amizade, que é o pedestal, o primeiro degrau do amor. Sem amizade não poderia existir o amor. Terceiro, porque eu desejaria fazer o ato. Os mestres me deram uma lição: não desejes demais uma coisa que você não possa na realidade, no momento, cumprir. Assim, usando dessa chave, e ao mesmo tempo me curvando diante a evidência dos fatos, por questões de menos importância no momento, mas advindas de algo que tornou impraticável fazer, pelo meu estado físico, impossibilitado por uma doença que estou no momento passando. Quarto, por eu ter transmitido, transferido para o noivo a responsabilidade de um casamento com os meus próprios dizeres. Quinto, por possuir ao meu lado um companheiro de luta, de trabalho, que julgo estar entregue totalmente, de corpo, alma e espírito à obra, para me substituir nessa tão profunda questão, para que ele pudesse fazer o casamento no meu lugar. Sexto, quando, depois de vê-lo executar tudo muito bem feito, dentro das regras absolutas da Igreja Expectante, termos podido, juntos, elevar as nossas mãos, e transferir aos ouvintes, aos presentes, a nossa bênção da Igreja Expectante, acompanhada de recomendações que as pessoas presentes necessitavam ouvir, quando fomos ovacionados neste contexto com bastante alegria, paz e amor".

 

 

© Todos os direitos reservados © Egrégora Expectante - Site Oficial   
igrejaexpectante@igrejaexpectante.org