Cruz Expectante (r)
Página Inicial
Vida e Obra do Patrono da Igreja Expectante
Textos de ou sobre Cedaior, Sevãnanda, Thoth e Ischaïa
Biblioteca
Mapa dos Núcleos
Perguntas Frequentes
Entre em Contato
Como entrar para a Egrégora Expectante

 


A Prece

Por Thoth, 3º Patriarca Expectante (1915-2009)


Já havíamos galgado boa parte da montanha — um grupo de discípulos e eu — com a finalidade de assistirmos, no dia seguinte, ao esplendoroso espetáculo do nascer do Sol. Chegando a certo local, improvisamos um rústico acampamento junto a uma grande pedra. Ela, com sua obliquidade, dava uma boa proteção contra os ventos alísios que durante a madrugada, naquela altura, iriam se tornar mais frescos. Depois de aceso o fogo, e de fazermos uma frugal refeição, nos dispusemos a dormir. Entrementes, foi distribuído a cada um seu horário de vigilância, medida essa fundamental a todo acampamento e, além disso, teríamos que partir às quaro horas para podermos atingir em tempo hábil o ponto desejado. Assim, repousamos. No horário aprazado, o discípulo que estava vigilante nos despertou com o Hino da Igreja Expectante, entoado através de sua voz ondulante. Alegres com tal despertar, fizemos um rápido desjejum e iniciamos a marcha. Quando atingimos nosso objetivo, nos posicionamos de frente para o Nascente e ficamos aguardando alguns instantes. Dentre pouco tempo, anunciando sua chegada, surgiram raios dourados que irradiavam em todas as direções, tingindo de várias cores alguns Cirros e Alto-Estratos que pairavam no horizonte, deixando-nos estáticos!...

Nesse momento um discípulo me perguntou:

— Mestre, poderia nos falar sobre a PRECE? Sua forma... Como devemos fazê-la... Qual sua potencialidade, os efeitos... Existem fórmulas mágicas positivas ou negativas?
— Oh! Meus queridos filhos, eis perguntas importantes sobre a PRECE, exatamente num momento tão oportuno.

Olhem para o horizonte e sintam a intensidade vibratória que nos circunda neste momento. Vejam o belíssimo esplendor com que o Criador nos brinda. Toda a NATUREZA é pertencente à Parte Divina da vida e está neste momento despertando. Sintam o hino de louvor que está sendo feito. Ponham-se em sintonização e captem a Vibração harmônica existente. Isto é a forma pela qual a Natureza, a vida se manifesta fazendo sua PRECE ao Criador.

Não é preciso haver uma forma específica para a Prece. No entanto, nos foi dada pelo Divino Rabi da Galiléia, Nosso Senhor Jesus-o-Cristo, o Pai Nosso, o qual ficou registrado como uma forma de Prece.

Ao se fazer uma Prece é preciso que se esteja convicto do que se está fazendo. Fazer por fazer, por obrigação, sem ser com sentimento de AMOR, é uma verdadeira falta de respeito para com Aquele ou Aqueles a quem se ora, demonstrando com isso que não se dá o devido valor, tornando-se uma prece faltosa, inútil e desrespeitosa. E para que vocês entendam a potencialidade de uma prece feita dentro dos parâmetros e das modalidades conscientes, saibam que quando se ora TODAS as criaturas viventes visíveis e invisíveis que estão perto de nós, animais, plantas, os nossos átomos, células, moléculas, todo o nosso corpo, que é um Templo etc. TAMBÉM oram juntos com as pessoas. Imaginem vocês como será decepcionante para estes seres sentir que a PRECE não está sendo formulada com o devido AMOR, concentração e respeito.

Quanto maior e profunda for a concentração aplicada ao se fazer uma PRECE, maior será sua capacidade, seu PODER e seus efeitos se tornarão atuantes o mais rápido possível dentro do campo desejado. A Oração de Abertura do Dia, da Igreja Expectante, por exemplo, é uma Prece que é dirigida a muitas POTÊNCIAS e nela se poderá encontrar tudo aquilo que se deseja. Sendo ela bem direcionada, pode-se atingir muitos “departamentos” divinos. E, para maior firmeza, FÉ e convicção de vocês, digo-lhes que muitas pessoas já obtiveram verdadeiros milagres através dela.

A Prece é o veículo de comunicação com o Criador e com os seres de nossa devoção. Obviamente, não devemos ser irreverentes quando oramos.

No livro “Evangelho, vida e palavras do Mestre Amo Philippe”, página 96, diz o Mestre Amo: “Deve-se rezar para aprender a rezar. Se ensinar a uma pequena criança uma prece, quando for adulta ela se lembrará ainda da prece que aprendeu dos progenitores ou familiares, quando tinha dois ou três anos de idade, e pode ser a única coisa de que se lembrará de sua infância. E esta prece, cada vez que a criança rezar, será levado um crédito para aqueles que a ensinaram”. Assim ensinou o Mestre em 13-12-1894.

Existem dois grandes momentos em que a Natureza está com todo o seu potencial Vibratório atuante, que são ótimos para se dedicar à Concentração e Oração. Esses momentos são: Ao nascer do Sol e ao Pôr do Sol. No Oriente também é no Nascer e no Pôr do Sol. Nascendo e morrendo, morrendo e nascendo exemplificam a perpetuidade da vida no seu “Grande Mistério”: A REENCARNAÇÃO. E a Prece é o elo indissolúvel que mantém viva a Grande Corrente Universal. Portanto, eu aconselho: Evite fazer uma Prece mal feita, pois isso acarretaria uma perda de corrente, ou seja, haveria uma distonia, o que sempre é lamentável...



Também, existem, ainda, dois campos de Forças neste mundo: a Força Positiva e a Força Negativa. Assim, há os adeptos do BEM (positivo), e do MAL (negativo), e ambas as forças possuem seus horários nos quais são mais ou menos atuantes as suas energias. De acordo com o que há pouco expliquei, ficou caracterizado o horário mais atuante da Força Positiva: a parte do dia. Do mesmo modo, a noite fica mais acertada para as Forças Negativas, especialmente a partir de certo horário. Portanto, as preces existem para o BEM, assim como são invocativas para o MAL. E, quando distraídos somos levados a fazer uma oração, estamos atuando (involuntariamente) no campo Negativo, no MAL. Não! Não contestem, pois vocês sabem muito bem que possuímos o Eu Superior e o Eu Inferior. E cada qual é bastante atuante dentro de nós, agindo com mais ou menos intensidade, de acordo com a evolução espiritual de cada um.

Há uma infinidade de modos e formas pelas quais se pode fazer uma prece e nenhuma delas terá o REAL valor se não for aplicada a base fundamental para que elas tenham a devida força: O Amor para o Positivo (o bem), e o ódio para o Negativo (o mal). Estas são as condições necessárias para os Rituais da MAGIA DIVINA, assim como para a Magia NEGATIVA. Compete a cada um escolher o seu caminho!... Todavia, devo também esclarecer e ADVERTIR que, para o Bem, geralmente se recebe o dobro, e, para o Mal, o “retorno” paga-se dez vezes mais. Vejam se há recompensa satisfatória no MAL!...

Notem bem: o nosso Divino Mestre, Nosso senhor Jesus-o-Cristo, deu uma grande chave quando disse “Vigiai e Orai”, demonstrando assim que é por demais importante a VIGILÂNCIA absoluta sobre o Eu Inferior, pois que as distorções das quais somos vítimas voluntárias ou involuntárias são causas dos nossos sofrimentos, e o método pelo qual se pode evitar tais distorções é uma prece bem feita.

Depois desta dissertação, vocês irão achar que é difícil ORAR. Porém, eu sei o quanto isto é certo. Pior será se deixarem de fazer uma prece, por negligência, por preguiça... Aí é que cairão no CAOS interno. Devem, pois, treinar constantemente para vencer todas as barreiras que se apresentam.

Bem, meus filhos, o Sol já está bem alto. Como vivemos com muita intensidade os momentos que nos foram proporcionados em vários sentidos, vamos agradecer cantando todos juntos o Hino da Comunhão Expectante: Comungando com os nossos anelos, sublimando nossos ideais com a Natureza e nos unindo com os amados MESTRES...

 

 

© Todos os direitos reservados © Egrégora Expectante - Site Oficial   
igrejaexpectante@igrejaexpectante.org